No banner in farm
 
INÍCIO| ARTIGOS| EVENTOS | CURSOS | NEGÓCIOS| COMUNIDADES | TÉCNICOS | PACIENTES | SHOPPING

Cadastre-se Editorial Mapa do Site Quem Somos

Submarino

 Cadastre-se
Seja um membro do RADIOLOGY.COM.BR e receba notícias, eventos e muito mais em seu e-mail.

Nome:

E-mail:

Residente em Radiologia?
Sim
Não


 Shopping
TC de Alta Resolução do Pulmão
Técnicas Radiológicas

Radiologia: Perguntas e Respostas: o Pequeno Livro Verde
Radiologia Odontológica

Ultra-Sonografia em Obstetrícia e Ginecologia
Compêndio de Radiologia

Ultra-Sonografia em Obstretrícia e Ginecologia
Segredos em Radiologia

Ressonância Magnética em Ortopedia e Medicina Esportiva
Fundamentos de Radiologia

Fundamentos de Radiologia de Squire
Fundamentos de Radiologia e Diagnóstico por Imagem

CVarredura em Ultra-Sonografia: Princípios e Protocolos
Paul & Juhl: Interpretação Radiológica


 Fale Conosco

Informações Gerais

Comercial


FAQ - Frequently Asked Questions

Nódulo na Mama

Percebi um nódulo em minha mama. O que devo fazer para saber o que tenho? Será necessário uma biópsia? Qual o melhor procedimento?

O Dr. Luiz Steffen, médico ginecologista e mastologista, responde que a mama tem 2 tipos principais de tecido, o tecido glandular e o estromal (de sustentação). A parte glandular da mama inclui os lóbulos e os ductos. Em mulheres que estão amamentando, as células dos lóbulos produzem leite, que é transportado através dos ductos (canais de passagem) até o mamilo. A parte do estroma inclui tecido gorduroso e tecido conectivo fibroso (ligamentos que sustentam a mama).

Qualquer dessas áreas pode sofrer transformações que levam a mulher a ter sintomas. Os dois grupos principais de mudanças na mama são as alterações benignas da mama e o câncer de mama.

As alterações benignas da mama são bastante comuns. Se o tecido mamário for examinado ao microscópio, tais mudanças podem ser achadas em 9 de cada 10 mulheres.

Ao contrário do câncer de mama, as alterações benignas não ameaçam a vida da mulher, mas podem causar sintomas que a incomodam bastante. Raramente, algumas dessas condições benignas estão associadas com um risco aumentado de desenvolvimento posterior de câncer de mama.

Essas condições benignas geralmente causam um "nódulo" ou uma área de espessamento que é achado pela mulher quando ela faz seu auto- exame ou por seu médico durante um exame clínico de rotina. Outros sintomas, tais como dor ou saída de líquido pelo mamilo (que não seja leite) também podem preocupar a mulher. Outras alterações benignas podem não causar sintoma algum, e ser descoberta somente durante uma mamografia de rotina.

Estando alerta a qualquer mudança na mama e realizando os exames de rotina, as mulheres podem achar o câncer nos seus estágios mais precoces, quando existe a possibilidade de cura. Além disso, esses exames podem diagnosticar as condições de benignidade da mama.

Se a possibilidade de câncer de mama ou doença benigna de mama ocorrer por testes de rastreamento ou por sintomas mamários, o médico vai usar um ou mais métodos para fazer um diagnóstico correto, para que o tratamento mais adequado seja escolhido.

A primeira etapa se constitui na história médica e no exame físico. A história médica pessoal e familiar irão fornecer informações sobre os sintomas e fatores de risco para câncer de mama e doenças benignas. Um exame completo das mamas será realizado para localizar qualquer nódulo e sentir sua textura, tamanho, e relação com a pele e musculos peitorais. Qualquer mudança no mamilo ou na pele será notado. Os gânglios ou linfonodos axilares e acima das clavículas podem ser sentidos devido ao aumento ou endurecimento dos mesmos, podendo indicar a presença do câncer de mama. Além da história médica e do exame físico, poderão ser realizados exames de imagem e biópsias.

Os dois exames principais de imagem para diagnóstico em mama são a mamografia e o exame ultrassonográfico, ou ecografia.

A mamografia é um exame radiológico da mama de uma mulher que tenha uma queixa mamária ou simplesmente como exame de rastreamento ("screening"). As duas principais anormalidades que um médico procura na mamografia são massas e microcalcificações. Nas massas, o tamanho, formato, e bordos ajudam o médico a julgar o caráter dessa massa. Calcificações são pequenos depósitos minerais no tecido mamário que aparecem como pequenas manchas brancas no RX. A maioria é devido a condições benignas, enquanto que as microcalcificações agrupadas aumentam as chances de indicar um câncer. Nessas situações, o médico pode solicitar um exame mais detalhado (estudo ampliado), uma reavaliação mais precoce (6 meses) ou até mesmo uma biópsia.

O Ultrassom usa ondas de alta frequência para delinear uma parte do organismo. As ondas são transmitidas através do orgão a ser estudado, os ecos são capturados pelo computador e convertido em imagem num monitor. Não há exposição à radiação, e o exame é utilizado para avaliação de uma anormalidade encontrada no exame físico ou na mamografia. É o único meio que temos para dizer se determinada massa é constituída de líquido sem que para isso tenhamos que colocar uma agulha no interior desse nódulo.

A biópsia é realizada somente quando algo incomum é encontrado na mamografia, ultrassom ou exame físico. A biópsia é o único meio de dizer se existe câncer ou uma lesão benigna na mama. Todos os procedimentos de biópsia removem tecido mamário para exame pelo médico patologista com o microscópio. Existem vários tipos de biópsia, cada um com vantagens e desvantagens. A escolha de qual será utilizado dependerá da situação da paciente. Alguns dos fatores que poderão ser considerados pelo médico incluem o grau de suspeita da lesão, tamanho, onde está localizado na mama, quantas lesões estão presente, e as preferências da paciente. As mulheres devem ser encorajadas a discutir as vantagens e desvantagens de cada procedimento com seus médicos.

A aspiração por agulha fina é um procedimento que retira células da lesão, utilizando para isso uma seringa e uma agulha de injeção comum. Em alguns casos este tipo de exame não fornece uma resposta clara e um outro tipo de biópsia se faz necessário.

Biópsia cirúrgica é aquela que através de uma cirurgia remove-se parte ou totalmente um nódulo para exame microscópico. Geralmente é realizado em ambiente hospitalar, com anestesia geral, necessitando pontos e as vezes um dreno no local. É comum ser realizado com orientação por agulhamento, que é um fino fio de arame que é inserido na mama orientado pela mamografia para que a área a ser operada seja a mais adequada possível, sem muita margem de erro e ao mesmo tempo, sem excesso de tecido sendo retirado.

Modernamente, utilizamos o mamótomo (Mammotome breast biopsy system), que elimina um dos problemas de métodos como a core biopsy, que retira parte do tecido a ser examinado.

A mamotomia é uma biópsia assistida a vácuo, ou seja, utiliza a sucção para trazer o tecido a ser examinado para dentro da agulha inserida na mama. Uma espécie de faca rotatória corta então exemplares de tecido a ser examinado, quantos se fizerem necessários. Esse método permite inúmeras vantagens para as pacientes, como diagnosticar o câncer de mama precocemente, quando tem mais chances de cura, não apresenta traumas físicos e psicológicos para a mulher. A anestesia é local, não requer sutura ou pontos, o que significa que não deixa cicatrizes. O procedimento é ambulatorial, podendo a paciente logo após o procedimento seguir normalmente com as suas atividades. O índice de rebiópsias e de zero, e através de um clip metálico podemos marcar o local da biópsia para acompanhamento futuro (Micromark). Apresenta além disso um custo bem inferior ao custos de uma biópsia cirúrgica em ambiente hospitalar.

?
Não conseguiu resolver suas dúvidas através deste FAQ?
Então, envie-nos um e-mail para info@radiology.com.br com suas dúvidas que procuraremos atendê-lo o mais rapidamente possível.
No banner in farm

Importante: As informações aqui contidas são genéricas e apesar de obtidas em fontes científicas confiáveis e seguras, jamais deverão ou poderão ser utlizadas para determinar ou conduzir um caso médico. Recomendamos fortemente que antes da realização de qualquer tipo de exame de diagnóstico por imagem o paciente consulte seu médico, sempre procurando obter todos os esclarecimentos sobre os eventuais benefícios ou eventuais efeitos biológicos.

RADIOLOGY.COM.BR - o site imagem
© 2007 - Radiology.com.br